Como lidar com a hora de dormir?

hora de dormirApesar do título do post, não pretendo dar uma receita. Até mesmo porque seria bastante presunçoso de minha parte dizer para os outros como lidar com esse momento, ainda mais sem conhecer as personalidades das famílias dos leitores. Minha ideia é bem mais modesta: contar minha experiência nessa área- a hora de dormir – e tentar extrair algumas lições abrangentes que talvez possam ser úteis para outras pessoas.

Acho que poucos discordam que a hora de dormir das crianças pode  ser tormento para toda a família. A lista do que pode dar errado é longa. Os detalhes variam de acordo com a idade e outros fatores, mas todos os pais sabem como é desesperador ver escorrer entre os dedos,  por causa da enrolação dos filhos para dormir, aquele tempo de ouro no fim do dia em que você poderá pôr algumas coisas em dia ou simplesmente desfrutar do enorme privilégio de ter um tempo com sua cara metade sem ser interrompido.

Na minha família, quase sempre sou eu (pai) que ponho as crianças para dormir. É um costume que surgiu meio por acaso, na época do desmame da minha filha mais velha. Ela estava acostumada a adormecer mamando, e queríamos evitar que o cheiro do restinho do leite da mãe a levasse a lutar contra o sono para pedir o peito. Foi assim que assumi a tarefa de pô-la para dormir.

O centro da estratégia foi a leitura de um livro para a bebê. Duvido bastante que sua compreensão da história à época fosse muito elevada, para ser eufemístico. Mas aparentemente havia algo na situação que a agradava, e a moda pegou. Nunca mais deixei de fazer isso. Confesso que adoro. Está longe de ser o único momento do dia-a-dia das minhas filhas de que participo ativamente, mas é um momento de forte união e troca de carinho. Tenho certeza de que o bem que essa hora do dia me faz é pelo menos tão grande quanto o que faz a elas.

A tradição da leitura noturna comigo já teve várias ramificações. Por exemplo, quando elas ganham um livro novo, muitas vezes fazemos uma “caça ao livro” dentro de casa. (É divertidíssimo, mas haja criatividade para quem mora em apartamento!). Inventamos nomes para quando elas escolhem ler no colo ou abraçadas. E por aí vai.

A evolução do meu relacionamento com minhas filhas na hora de dormir delas aumenta minha capacidade de entendê-las, e me dá ideias sobre iniciativas que podem ajudá-las em diferentes áreas. Por exemplo, há alguns dias, me ocorreu convidá-las a fazer um exercício feito especialmente para a hora de dormir de crianças disponível em um aplicativo de mindfulness que uso. Elas aceitaram, adoraram, e dormiram super bem. Desde então, temos repetido a dose diariamente após a leitura do livro. Elas pedem.

Isso já tem gerado benefícios além da hora do sono. Hoje mesmo, minha filha mais nova estava muito zangada e não estava conseguindo se acalmar. Propus a ela que fizéssemos juntos um outro exercício do mesmo aplicativo, que tem o objetivo de ajudar a criança a ter mais tranquilidade. Para minha surpresa, ela não apenas aceitou, como fez o exercício de forma bem compenetrada. É um exercício de apenas 3 minutos, mas ela de fato ficou bem mais calma.

Não quero fingir que tudo que é relacionado à hora de dormir é um mar de rosas, obviamente. Várias vezes tenho trabalho pendente e saio do quarto delas caindo de sono, “embalado” pelo clima propício do ambiente. Existem, sim, vezes que, mesmo quando fazemos tudo “certo”, elas demorar para pegar no sono, e acabamos ficando sem tempo de nada no fim do dia.

Mas, apesar dos inevitáveis (e irritantes) revezes, a minha experiência é que a hora de dormir é uma excelente oportunidade para fortalecer ainda mais o relacionamento com os pequenos, aprender a entender melhor as necessidades deles em diferentes áreas, e criar tradições que certamente permanecerão como tesouros familiares e pessoais mesmo quando nossos filhos já tiverem crescido.

Eduardo, pai da Laura (8) e da Nina (3)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *